Contactos

Consórcio facilitado ltda.

  • Pessoa de contato: Ana Paula
  • Telefone: +55 (11) 99568-68-97
  • +55 (11) 7780-21-94
  • MSN: anapaulaunilance@hotmail.com
  • Endereço postal: Rua Almirante Pereira Guimaraes,265, Pacaembú, São Paulo, 01250-001, Brasil

Renovações do site
CONSORCIO BMW 535i GT R$ 352.417,00, foto 1
  • CONSORCIO BMW 535i GT R$ 352.417,00, foto 2
  • CONSORCIO BMW 535i GT R$ 352.417,00, foto 3

CONSORCIO BMW 535i GT R$ 352.417,00

Ainda que tenha números expressivos de desempenho, o GT tem um rodar mais voltado para conforto, mesmo quando o Dynamic Drive é ajustado no modo Sport.
disponível
R$352.417
Encomendar
Condições de pagamento e frete
Informação de contato
  • Pessoa de contato: Ana Paula
  • Telefone: +55 (11) 99568-68-97
  • +55 (11) 7780-21-94
  • MSN: anapaulaunilance@hotmail.com
  • Endereço postal: Rua Almirante Pereira Guimaraes,265, Pacaembú, São Paulo, 01250-001, Brasil
Descrição detalhada de um produto

Fotos meramente ilustrativa do site

Visto de frente, ele não nega a família, a da Série 5 – que inclui sedãs, como o 550i e peruas, as Touring, ainda não oferecidas no Brasil –, mas bastante diferenciado dos demais. A grade dianteira é maior que a do sedã, assim como os faróis, mas é de lado e de traseira que ele mostra melhor seu lado iconoclasta.

As portas não têm as colunas dos vidros e a traseira lembra a de um hatch, mais pela parte de trás truncada, com balanço traseiro curto, que pela queda de teto acentuada após a coluna B, mais de acordo com os cupês. A tampa do porta-malas também contribui para seu jeitão diferente do GT: ela se abre parcialmente (só sua metade inferior), para objetos pequenos e compras, ou por completo, para malas. E cabe mala nele: são 590 litros de capacidade, mais do que em muitas peruas. Por dentro, a rebeldia se faz presente no banco traseiro, que pode ser tripartido. Em vez da tradicional proporção 40/60, o GT tem bancos com a divisão 40/20/40, pois o miolo do encosto pode ser abaixado de maneira independente.

O problema do pioneirismo do GT é que muitas de suas soluções não são necessariamente as melhores. As portas sem coluna, ainda que belas, são difíceis de fechar, exigindo mais força (mesmo com os vidros abaixando levemente, para diminuir a pressão). As largas colunas da tampa do porta-malas, que tem abertura elétrica, tornam a vigia traseira pequena demais, o que prejudica a visibilidade, pecado que é neutralizado pela presença de câmera na traseira – o que explica a boa nota da avaliação Cesvi de visibilidade na nossa ficha de teste. A culpa, nesse caso, não é só das colunas, mas também do teto à moda cupê. O banco traseiro tripartido, por sua vez, torna o assento destinado ao terceiro ocupante pouco convidativo. Quem se arrisca a ocupar o lugar sofre com falta de espaço e algum desconforto, uma vez que a parte central do assento é mais dura e nada anatômica.

Com entre-eixos de 3,07 metros, maior que o do sedã em 10 cm, o que não falta ao BMW GT é espaço interno. Os passageiros que usam os espaços corretos do banco traseiro (as extremidades) podem esticar as pernas mesmo com alguém de mais de 1,80 metro ao volante, como se estivessem pisando fundo nos freios. Especialmente se o motorista estiver exagerando no acelerador, o que, no Série 5 GT, é fácil de acontecer.

Apesar de grandalhão (5 metros de comprimento e 1,56 de altura) e pesado (1 940 kg), o GT tem números de aceleração de carros pequenos e leves. Vai de 0 a 100 km/h, segundo nosso teste, em 6,8 segundos. É 1,1 segundo mais rápido que o Honda Civic Si, sedã de 4,49 metros e 1 322 kg. Um dos segredos para a façanha é o motor N55, de seis cilindros em linha e 3 litros, configuração tradicional na BMW, mas com um ingrediente novo: turbo de dupla entrada, chamado de Twin Scroll, mais simples e confiável que os dois turbos pequenos que o seis-cilindros anterior, o N54, usava. E o N54 foi eleito o melhor motor de 2,5 a 3 litros do mundo em 2010. Em 2011, o título deve ser do N55. Com a ajuda do turbo, o motor gera 306 cv e um torque de V8, com 40,8 mkgf. Isso era o que o BMW 540i, com um V8 4.4, conseguia em 1998.

O outro segredo do carro é o câmbio, da ZF. É automático, o que deixará muitos apreciadores de condução esportiva de nariz torcido até eles saberem que ela tem oito marchas e uma suavidade de trocas que lembra um CVT (transmissão continuamente variável), que não dá trancos porque não tem marchas para trocar. Talvez eles continuem de nariz torcido, mas só por hábito. O câmbio deste BMW não deixa nada a desejar para nenhum público.

Ainda que tenha números expressivos de desempenho, o GT tem um rodar mais voltado para conforto, mesmo quando o Dynamic Drive é ajustado no modo Sport. Nessa configuração, o carro tem trocas de marcha mais ágeis e suspensão mais dura, mas nada apaga a sensação de que o carro é grande demais para andar forte. Mesmo com motor, câmbio e suspensão suficientes para isso. Considerando a proposta, o estilo e quanto custa, a ideia realmente não é essa. Basta que ele pareça esportivo. E que tenha o mesmo espaço e luxo que a BMW normalmente oferece, ainda que num pacote para lá de diferente.

Informação para encomenda
  • Preço: R$352.417
Categoria do catálogo Negociol.com: Carrinhas de passageiros em São Paulo
Criado: 10/07/12 08:55
Alterado: 19/11/12 11:02